Artigos

Alberto de Oliveira

Benjamin Franklin Ramiz Galvão (1846, Rio Pardo, RS – 1938, Rio de Janeiro) foi médico, professor e filólogo. O insigne humanista escreveu o valioso Vocabulário Etimológico, Ortográfico e Prosódico das Palavras Portuguesas derivadas da língua grega, editado em 1909 pela Livraria Francisco Alves, do Rio de Janeiro, e republicado em 1994 pela Livraria Garnier, dessa feita com preâmbulo de Paulo Brossard de Souza Pinto. O notável helenista averbou do adjetivo parnasiano esta concepção:

diz-se do poeta, que procura antes de tudo a delicadeza e a perfeição da forma do verso // De IIαρνασòς Parnaso + suf. ano.

Da França chegara ao Brasil a nova tendência. Acolá, e aqui também, Théophile Gautier, Leconte de Lisle, Sully Prudhomme e José Maria de Heredia, entre outros corifeus dela, eram mitificados. A respeito de S. Prudhomme merece anotada a observação de Antonio Soares Amora no sentido de que ele e Verlaine

iniciaram sua carreira literária na Escola Parnasiana; mas a concepção poética dos parnasianos, seu espírito positivista, sua preocupação da técnica rigorosa, da “impassibilidade”, não condiziam com o temperamento desses poetas; e Sully Prudhomme buscou  uma  direção  poética  diversa,  talvez  mesmo antitética…

(Teoria da Literatura, São Paulo: Editora Clássica-Científica, 5ª Ed., 1964)

Alberto de Oliveira, Raimundo Correia e Olavo Bilac compõem a tríade coroada do parnasianismo brasileiro. Anderson Braga Horta, premiado poeta brasileiro, também exerce a crítica literária; e nessa área igualmente é senhor do seu mister. Em O Parnaso Revisitado, parte de Sob o Signo da Poesia (Brasília: Thesaurus, 2003), ao dizer de Introdução à Estética Parnasiana, de Danilo Lobo et alii, ressaltou

a demonstração do relativismo das oposições que, não raro dogmaticamente, vemos estabelecer   entre estilos de época 

 (Classicismo x Barroco, Romantismo x Realismo ou Parnasianismo).

Recentemente a Thesaurus publicou de Pedro Salina – fulgente vate da Geração de 27 da Espanha – A voz a ti devida, edição bilíngüe, com a excelente tradução de José Jeronymo Rivera. O belo poema nessa edição bilíngüe está precedido de estudo efetuado por José Antonio Pérez-Montoro, também objeto da ação do mesmo trasladador.

Antonio Mariano Alberto de Oliveira presentou-se na Revista Americana, o periódico dirigido por A. G. de Araujo Jorge, que lhe publicou o soneto Crescente de Agosto (v. XIV, outubro – 1916).

Em Saquarema, RJ, nascera o Poeta, no ano de 1857; seu falecimento ocorreria em 1937, na cidade de Niterói. Estreara-se com Canções Românticas (1878).

Dele adviriam ainda Meridionais, Sonetos e Poemas, Versos e Rimas, Poesias Completas (4 séries), afora outras publicações. Ademais, foi o fundador da Cadeira 8, de que patrono Cláudio Manuel da Costa, da ABL.

Em 1944 a Academia Brasileira de Letras imprimiu, em louvação do autor de Vaso Grego, o livro Póstuma, com apresentação de Aloysio de Castro. A primeira peça do tomo é um texto em prosa, de 1929, – Começo de Vida – em que o aedo narra a boa e forte influência recebida do irmão José Mariano em sua formação literária. O intérprete da Instituição assim concluiu seu escrito:

Publicando este volume por homenagem, a Academia evoca Alberto de Oliveira, que distanciado da morte deixou vida na saudade. Todos aqui o tínhamos por Mestre e o vimos, como no voto de Horacio, tocar as estrelas com a fronte.

Ainda no século que passou, na década de setenta, o comerciante de livros Carlos Ribeiro entregou a Nilo Aparecida Pinto – da Academia Mineira de Letras e que seria sucedido na Cadeira 34, sob égide de Thomaz Antonio Gonzaga, da Casa de Alphonsus de Guimarães, por Juscelino Kubitschek – o encargo de organizar o livro Lírica, de Alberto de Oliveira. Fez-lhe o proêmio Xavier Placer, advertindo que na seleção de poemas o leitor teria o poeta

em sua marca peculiaríssima de genuíno romântico – entendida a palavra fora  de conotações de Escola – e surpreendido em seus melhores momentos. […] Decerto, em todos estes poemas depara-se alto requinte de forma. Que não basta,  entretanto, para classificá-lo parnasiano. […] Tem você, pois, aqui, um A. de O. diferente, exatamente o que resistiu e chegou até nós no que apresenta de perene.

Já agora entrego ao leitor amigo os quatorze dodecassílabos albertianos de

CRESCENTE DE AGOSTO

Alteia-se no azul aos poucos o crescente;
O ar embalsama, os cirros leva, o escuro afasta;
Vasto, de extremo a extremo, enche a alameda vasta
E emborca a urna de luz nas águas da corrente.

Na escumilha da teia, onde a aranha indolente
Dorme, feita de luz, uma pérola engasta
Faz aos lírios mais branca a flor cheirosa e casta
Mais brancos os jasmins e murta redolente.

Faz chorar um violão lá não sei onde… A ouvi-lo,
Na calada da noite um não sei quê me invade!
Faz que haja em tudo um como espasmo doce e enlevo…

Faz as cousas rezar ao seu clarão tranqüilo,
Faz nascer dentro em mim uma grande saudade,
Faz nascer da saudade estes versos que escrevo.

Fontes de Alencar

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s